Costelinha recheada com lombinho. Com lombinho?


Ao que parece, o destino deste blog está ligado aos blogs Dadivosa e ao Mangia che fa bene, que o acaso transformou em padrinhos do Ceguinho.

Estava eu matutando um post sobre uma “receita” de costelinhas que vi no Youtube, quando o Mangia publicou uma maravilha: costelinhas no estilo bbq, com molho de maçã e purê de batatas. Da saliva crescer sem controle. A Verena, ao comentar os posts, deu uma pista bacana sobre o inimaginável mundo do churrasco nos EUA.

A bem da verdade, o que trago aqui não chega a ser uma “receita”, mas um modo de se montar um assado diferente, fácil e bonito, daqueles de impressionar. Mas complicado de fazer numa churrasqueira...

O vídeo é curtinho – menos de três minutos – e tão bem produzido que você não precisa saber Inglês para aprender a fazer. A questão dos temperos é irrelevante. Deles, a gente se encarrega, no jeito que a inspiração mandar. O grande barato é a montagem e o inusitado do recheio.

O endereço no Youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=Cq7nH45-KPY&mode=related&search=


Meu problema é fazer essa brincadeira na churrasqueira, pois numa de bafo ou no forno é mole. Não sei ainda como, mas vou dar meu jeito, pois tenho que conciliar o cozimento perfeito das costelas com o do lombinho, cujas texturas são diferentes.

O blog do autor dessa maluquice encantadora é o Frugal Foddie. E no endereço a seguir, você encontra numa única página 10 vídeos do autor ensinando macetes e receitas com carne suína e informações interessantes sob a ótica da proteção do consumidor.

Endereço: http://consumerist.com/consumer/consumerist-kit/dont-buy-pre%20marinated-meats-224323.php

8 comentários:

Verena disse...

Ricardo, obrigada pelos elogios, o Mangia é com muito carinho padrinho do Ceguinho e se for com a Dadivosa, então, estamos em casa! Adorei o vídeo e a idéia de preparar a carne daquela maneira, fica diferente e muito bonita, não? E o avental do cara: Pork People? Esses americanos!!!!
Continue trazendo essas maravilhas, estou adorando aprender mais sobre as carnes! Fiquei com água na boca para experimentar seu churrasco!
Um beijo!

www.mangiachetefabene.wordpress.com

Dadivosa disse...

Que espetáculo! Posso estar falando uma grande bobagem (e me corrija, por favor), mas um papel alumínio não ajudaria, pelo menos no começo?
Beijos e obrigada pela dica, o vídeo vale a pena mesmo

Ricardo disse...

Já pensei no papel alumínio, o que, num ponto de vista imediato, seria a solução mais prática. Mas ego de churrasqueiro não cabe em si. Quero que as pessoas vejam a "coisa" aprontando, curiosas, perplexas, salivando. Todo churrasqueiro é meio sádico (ou masoquista?)
Imaginei fazer o assado numa "gira-gril", bem modernosa - tenho uma a gás, que quae não uso e, na verdade, detesto - com o espeto trespassando o lombinho. Já pensei também em começar numa grelha, sem tirar os olhos de cima, até o momento (que os Deuses hão de me indicar) de mandá-la para o "poleiro" da churrasqueira até as fibras dos dois cortes quebrarem igualmente e o assado ficar perfeito. Ufa!. Vou fazer.Não por esses dias. TEnho um monte de churascos para fazer, de hoje a domingo, onde não cabem esses preciosismos culinários. C'est la vie. Mas valeu pela dica.
Um detalhe: você já viu a toalete "bem feita" de um filè mignon? Vou publicar o vídeo assim que der. Muito legal.

Grande abraço!!!

fezoca disse...

Grandes dicas, Ricardo. Eu sou uma churrasqueira pifia. Deixo torrar tudo e na sou criativa. Acho que vou aprender muito por aqui! :-) beijos,

Dadivosa disse...

Jura que o nome daquilo é poleiro? Sempre achei parecido, mas nunca tive coragem de chamá-lo assim, por receio de ferir o brio dos churrasqueiros...
Gostei de imaginar os convivas extasiados com o lombinho flechado pelo espeto. Mil roteiros passam agora pela minha cabeça :D

Ricardo disse...

Ando meio atrasado com as minhas respostas. Na verdade, ainda não me dei conta da "etiqueta" blogueira e já acho que estou deixando alguns furos...

Fezoca, guardo certas convicções em relação aos que gostam de culinária e a exercitam por amor. Uma delas é a de que são fruto da mais bela conjuração dos Deuses, que escolhem certas almas para que tenham "mãos-de-fada" na cozinha. Embora churrasqueiras geralmente não fiquem fora da cozinha, dela são uma extensão mais rústica. Mas a alma que está lá na cozinha é a mesma. Portanto, não acredito que alguém com sua sensibilidade não seja uma churrasqueira nata. Imite-se a Dadivosa, solte a churrasqueira que há dentro de você, menina!

Abraços.

Dadivosa,

Você me pegou literalmente pelo pé. Uso essa expressão há muitos anos pra designar o estágio mais alto da churrasqueira, onde habitualmente, assamos, homeopaticamente, as carnes mais manhosas. Lá pelos meados do século passado, quando a vida ainda me parecia eterna, e eu era o insistente ajudante do meu pai nos churrascos, recebia ordens imperativas, não raro irritadas e em tom ameaçador: "Botá no poleiro, senão vai estragar e vou te dar umas "castanhas". Ele nunca me deu nenhuma. Boas e saudáveis lembranças.
Não acredito que o termo seja ofensivo ao churrasqueiro.

A propósito, você sabe o que é castanha?

Dadivosa disse...

Seriam cascudos, aqueles soquinho no cocoruto com o nó dos dedos?

Ricardo disse...

Dadivisa,

Você sabe! Um barato.

Há anos que eu não usava essa palavrinha tão comum na minha infância e adolescêcia. Já dei muitas, mas levei outras tantas ou mais. Dói que é uma beleza.

Abraços