Quem gosta de geba não dispensa um mamilo

termites nest

Três esclarecimentos prévios: Não, não enlouqueci. A foto que ilustra o post não é um engano. E o assunto, juro, é carne bovina, não um pequeno tratado de pornografia ou, no caso, de “porno-churrasco”.

Explico:

Ao cair na asneira de retirar o filé-mignon do armário, por obra e graça de dona Etimologia, entrei foi pelo cano! A velha senhora não largou mais do meu pé, cada vez mais oferecida, cheia de intimidades e provocações.

Tava eu quietinho no meu canto, relendo um livro e saboreando um cubano, presente de um cliente amigo, quando um sussurro suspirado e carregado nos “esses” invadiu meu ouvido...

Ceguinho, tenho uma surpresinha deliciosa para você, querido...

Por esta luz que me alumia, me arrepiei até nas unhas.

Dona Etimologia, pelamordedeus, assim a senhora me mata!

Ficou arrepiadinho, ficou, bobinho?

Menos, dona Etimologia, menos, retruquei irritadíssimo. Desembucha logo, vai.

Isso é jeito de se falar com uma dama, Ceguinho? Desculpe, mas a senhora conseguiu me irritar. Fala logo, que surpresa é essa porque o leitor não tem tempo e paciência para essas bobagens.

Apaga este charuto fedorento, que eu conto... Nem a pau, deixa meu charuto em paz!

Após um sorrisinho malévolo, ela mandou a bomba:

Ceguinho, você gosta de geba?

Só não engoli o charuto por milagre. E também porque não fica bem um homem da minha idade engolir charutos.

Isso lá é pergunta que se faça, dona... dona... minha senhora?

Implacável, ela mandou outra:

E de mamilo, cê gosta?

Dona Etimologia, dê-se ao respeito! A senhora pirou?

Não, misifio, quem pirou foi você, com sua mente suja, velho assanhado!

Velho assanhado, eu? Ora ora, a senhora chega do nada, sopra no meu ouvido, me fazendo arrepiar até a alma e ainda pergunta se eu gosto de geba e de mamilo e eu que sou o assanhado?

Com a impassibilidade dos sábios, ela continuou, sem responder.

A propósito, Ceguinho, como é que você escreveria essa “geba”, meu filho? Não entendi: descrever ou escrever? Escrever, grafar, idiota. Sei exatamente o que você descreveria, seu nojento!

Sei lá, com “g”, eu acho... E a otoérpia? Ora, como a senhora pronunciou, com o “e” aberto.

Ainda bem, Ceguinho, ainda bem! Em parte, você está certo. Só em parte.

Por quê?

Foi só uma pegadinha para churrasqueiro nenhum botar defeito, principalmente os pretensiosos, como você.. Na verdade queria saber se você gosta de g|ê|ba, com a tônica no “e”. Meti o “e” aberto por pura provocação. Vamos ao pai-dos-burros, tolinho?

Fui, porque ela, num átimo, já estava lá.

Mais uma vez, dona Etimologia, tinha razão.

Diz o Houaiss:

Geba vem do latim “gibba”, ainda existe na variação “giba” , e querem significar:

“Geba - corcova nas costas, peito ou dorso de homem ou animal; bossa, giba”

“Giba -saliência convexa nas costas, peito ou dorso de homem ou animal; bossa, corcova, geba”

E mamilo?

Além do significado anatômico óbvio, mamilo também significa:

“Mamilo (2) - colina cujo cimo é pontiagudo; outeiro, colina; pequena protuberância na pele de alguns animais”

Agora, dê uma olhada na foto ilustrativa lá em cima.

São cupinzeiros.

A forma da casa dos famigerados bichinhos lembra um seio feminino, mas também uma colina, uma corcova e, claro, mamilos.

Agora, vamos ao que o mestre do léxico nos diz sobre “cupim”, em dois verbetes:

“4 Rubrica: zootecnia. Regionalismo: Brasil. giba, corcova no dorso dos touros, esp. dos zebus

5 Derivação: por extensão de sentido. Rubrica: alimentação. Regionalismo: Brasil. carne correspondente a essa giba, muito apreciada e macia mas de segunda, com fibras de gordura entremeadas”

Só não concordo com o mestre que, senão me engano, era um gourmand, sobre o “carne de segunda”, uma impropriedade digna de outro post.

Mas o fato é que o a forma do cupinzeiro deu a inspiração para que o corte cárneo correspondente à corcova do gado de origem zebuína fosse chamada de “cupim”, fazendo cair em desuso as palavras geba e giba.

E fica a pergunta: Ora bolas, por quê, então, não ficou “cupinzeiro”?

Regras de economia alcançam também as Línguas.

Entre uma palavra e outra, algo me diz que cupim é mais econômico e bonitinho. Mas isto é apenas uma conjectura. Não sou um especialista.

Entre aliviado e surpreso, evoquei novamente a velha senhora.

Dona Etimologia, só falta explicar uma coisa...

Sim, Ceguinho, eu sei, eu sei... Este é mais um caso divertido de paronímia, meu garoto. Lembra? Lembro.

E também um caso explícito de tabuísmo horroroso e impublicável. Você não vai escrever o parônimo aqui, vai?

Não, não sou louco, isto aqui é uma casa de respeito, tratamos apenas de churrascos.

Nem uma pista, Ceguinho? Dona Etimologia, num provoca…

Pôxa, Ceguinho, dá um jeito de faze-lo sem chocar, o povo quer saber...

Não, dona Etimologia, num escrevo nem que a vaca tussa!

Vai, Ceguinho...

Dona enjoada, só vou dizer uma coisa: Quem gosta de geba com g, não dispensa um mamilo.

Valeu, Ceguinho, para bom entendedor qualquer pingo é letra. Assim que puder, e quiser, venho fazer outra visitinha…

Então venha menos assanhada, minha senhora.

5 comentários:

Ana de Bruxelas disse...

Me assustei com a chamada mas achei o texto genial!!!
merci pelas devidas explicações!
;-)

Anônimo disse...

KKKKKKKKKKK, muito boa parceiro!!!!!!!!


Abs.............

Ricardo disse...

Claro, pura provocação!

Nana disse...

Muito boa, como sempre, adoro passar aqui e rir hahaha
Bjs

Dadivosa disse...

Ceguinho, quanta coisa boa de se ler, homem!
Acabo de ver que você voltou todo faceiro (e pelo jeito já faz um tempinho), com um texto melhor que o outro.
Fiquei feliz :)